Crossing Memory (2013)

Funções:

  • Programação de Interface Visual
  • Programação de estrutura de dados em HTML5/Javascript
  • Finalização para ser executado a partir de mídia removível

 

Conceito do projeto:

Autores: Daniel Felipe, Wislan Esmeraldo e Mariana Lage

Toda memória é uma construção. Um fragmento de algo que lembramos, que nunca se apresenta com exatidão. Associamos fatos, pessoas, datas e vamos criando aquilo que conseguimos recordar. Nem mesmo fotos ou vídeos podem dar uma exatidão àquele fato. Sua certeza está presa àquele momento. O que há depois são apenas as memórias.

Podemos construir memórias, então. Não só construí-las por meio das associações, que ocorrem quase que inconscientemente quando tentamos lembrar de algo, mas construir propriamente, cientemente. Criar memórias a partir de fragmentos soltos de imagens, sons… Criar cenas a partir de memórias alheias, e mesmo assim fazê-las nossas.

Tendo isso como premissa, buscamos pensar uma forma de discutir tais questões de reconstrução e atravessamentos de memória de forma audiovisual, e propondo uma interação do espectador com a obra. O Crossing Memory é um projeto no qual compartilharemos certas memórias e as deixaremos disponíveis para uma ressignificação por parte do espectador. Trata-se de um projeto que visa utilizar algumas possibilidades da interatividade e da hipermídia para a criação desse sistema.

Utilizaremos uma plataforma em um site, em que colocaremos esses fragmentos de nossas memórias que ficarão expostas à escolha no usuário. A plataforma possibilitará ao usuário um contato com nossas memórias, que estão expostas em forma de vídeo, áudio e escritas em legendas. Cada um dos conjuntos agregará um sentido próprio, porém a intenção é que as nossas memórias, particulares, consigam conversar (ou não) a partir da criação, advinda da mistura entre elas.

Três colunas (banco de dados), cada uma para cada dos membros (Daniel, Mariana, Wislan), e os respectivos vídeos, áudios e legendas. Esses se apresentariam como links, ou “botões” para uma escolha. Abaixo dessas

colunas estaria uma timeline. O site funcionaria dessa forma: cada usuário escolheria apenas um elemento de cada coluna (ou um áudio ou uma legenda ou um vídeo), e o arrastaria até a timeline. Colocando lá as três escolhas, clicaria no botão ao lado, para gerar o cruzamento de memórias que foi escolhido. O espectador nunca poderá ver o conteúdo completo do vídeo-memória de um único integrante da equipe. Por exemplo, ele nunca poderá selecionar vídeo, áudio e legenda da mesma memória, ou usar dois arquivos do mesmo membro, deixando o outro de fora. O sistema impõe um atravessamento obrigatório entre os três banco de dados disponíveis.

O projeto visa uma não-linearidade que está frequentemente presente dentro de obras interativas. Embora aqui nós quebramos um pouco o paradigma de que não se pode desenvolver uma leitura simultânea de dois conteúdos (uma vez que três conteúdos – o vídeo, o áudio e a legenda – se unirão para a criação de uma nova memória), ainda temos um certo poder sobre o quê e como o usuário irá se impor dentro do aplicativo. Isto se dá pelo fato de que, apesar de existir um grande número de possibilidades de vídeos a serem criados, este número é limitado, fazendo com que o caminho percorrido pelo usuário também seja curto. O processo se dá, basicamente, pelo caminho escolha de conteúdos – criação de um vídeo – volta, fazendo do aplicativo algo interativo e simples, ainda que disponha para o usuário uma grande gama de possibilidades.

Ao final, essa mistura de elementos para a criação de lembranças, esses momentos que se cruzam poderão criar no espectador alguma associação dele próprio em alguma memória, ou apenas a vontade de seguir criando outras memórias na interface do site, até achar alguma que se encaixe, que o faça recordar algo. Ele estará criando, misturando, tentando ter um sentido em possibilidades de fragmentos ali postos por outras pessoas, o que não é tão diferente de nossas próprias associações de imagens, lugares, vozes de algum fato passado.

 

Não disponível online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *